Vereador Julio Mariano comenta: Reduzir ou não o número de Vereadores

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
 

O Vereador Julio Mariano tem acompanhado pelas Redes Sociais e pelos Semanários de nossa cidade as opiniões das pessoas com relação a redução do número de cadeiras em nosso Legislativo.

Sem dúvida, a redução do número de Vereadores de 15 para 11 acabaria gerando um gasto menor no Legislativo e em consequência teríamos mais recursos para o Município, porém a cidade necessita de mais recursos de imediato, o que realmente não seria possível com esta proposta, pois a Lei garante a Legislatura de quem está eleito. Portanto, à suposta economia só começaria ocorrer a partir de 2021, o que está muito distante.

Voltando a realidade do momento, os defensores do projeto de redução comparam a Câmara Municipal de São Roque com outras cidades e chegaram até a afirmar que “trata-se de um legislativo caro e improdutivo” e que os argumentos apresentados contra a redução são frágeis.

Neste momento, o Vereador Julio Mariano que até então não tem uma posição definida, se sentiu na obrigação de analisar estas comparações feitas com as cidades citadas, por não ter está visão sobre nossa Câmara Municipal.

Com relação à cidade de Itu, ela tem 13 Vereadores, porém cada um recebe mais de R$ 10 mil reais e tem direito a um Chefe de Gabinete que ganha R$ 4 mil reais e mais dois assessores. Já à cidade de Sorocaba possui 20 Vereadores, cada um ganha mais de R$ 10 mil reais e tem direito a um Chefe de Gabinete que recebe R$ 5 mil reais e mais cinco assessores que recebem mais de R$ 4 mil reais cada um. O presidente recebe R$ 11 mil reais e seu Secretário de Comunicação R$ 15 mil reais.

Já a Câmara de São Paulo tem 55 Vereadores que se comparado ao número de habitantes e se seguisse a proporcionalidade de outras cidades, poderia considerar um número pequeno, porém cada Vereador recebe R$ 15 mil reais e cada um tem uma verba mensal de R$ 143 mil reais para contratar 17 assistentes e recebem mais R$ 22 mil reais mensais para pagar gráficas, correios, assinaturas de jornais, materiais de escritório e de seu deslocamento pela cidade.  

Outra cidade citada é a de Indaiatuba que possui um salário próximo ao nosso, tem 12 Vereadores e cada um possui um Assistente Parlamentar que recebe R$ 6 mil reais, um Assessor Parlamentar que recebe R$ 4,5 mil reais e um Assistente Parlamentar que ganha R$ 4 mil reais por mês. Já o Presidente tem um Assistente Parlamentar que recebe 9 mil reais, três Assessores Gerais com salário de R$ 6 mil reais, um Diretor Jurídico que recebe R$ 9 mil reais e finalmente um Assessor de Imprensa que recebe R$ 7 mil reais.

O Vereador Julio Mariano quando tomou conhecimento destas informações ficou aliviado por saber que a Câmara Municipal, da qual ele representa, não se utiliza destas estruturas milionárias e que é uma das Câmaras mais produtivas de nossa região. A cidade de Salto que recentemente reduziu o número de Vereadores e que tem uma população pouco maior que a nossa, em uma comparação da legislatura de 2009 a 2012 produziu 285% proposituras a menos que a nossa Câmara, isso porque tínhamos dez Vereadores e eles 17, porém nesta época nos tínhamos dez assessores.

“Em meu primeiro mandato (2209/2012) eu trouxe para o município mais de R$ 1 milhão de reais em emendas parlamentares e neste primeiro ano de Legislatura estou trazendo R$100 mil reais para reforma do Estádio Quintino de Lima, R$ 180 mil reais para continuidade do Cursinho Popular e R$ 200 mil reais para a Saúde, se pensarmos desta maneira o que o Município vai gastar comigo nestes quatro anos já estaria pago, só com as ações do primeiro ano do mandato. Mas, não é assim que as coisas funcionam. Assim como não é só reduzir que vai economizar. É preciso uma visão maior. Acho intempestiva essa medida nesse momento. Teremos uma hora oportuna no futuro. O momento agora é de nos unirmos e pensarmos em medidas para ajudarmos a cidade a aumentar sua arrecadação e a reduzir seus gastos de imediato. Acompanho as ações do Prefeito Claudio Góes e sei das dificuldades que ele está passando para administrar. Os recursos que possui são insuficientes para acertar os desmandos herdados. Tem gente cobrando ações nestes 100 dias para as mudanças ocorrerem e eu penso que Oxalá ajude que elas sejam sanadas, pelo menos nestes dois primeiros anos”, finalizou o Vereador Julio Mariano do PSB.